Porno Gratis – Filmes Porno Brasileiros, Videos de Sexo Nacional, Sexo Amador, Videos Porno. - Porno Carioca. Videos Porno, Videos de Sexo, Xvideos, Filmes XXX, Sexo Amador, Porno, Fotos Amadoras, Porno Gratis, Contos Eróticos.
Home » Contos »

Conto Pornô Brasileiro – Vizinho Desconhecido

Conto Pornô Brasileiro – Vizinho Desconhecido

Era um Domingo gelado de inverno. Depois que tomei café da manhã fui ara a varanda ler. Tinha ido para um sitio fugir da muvuca da idade e da rotina do meu casamento.
Estava concentrada na linda história que lia quando de repente um homem lindo de aproximadamente 26 anos e corpo sarado apareceu na porta da minha casa. Era o filho mais velho do meu vizinho, e eu havia pedido ajuda ao pai dele para ver um vazamento do meu telhado. Logo abri a porta para que o jovem entrasse, ele se apresentou muito educadamente e eu lhe disse que não o conhecia, ele me informou que era o filho mais velho e morava em São Paulo onde estudava medicina.
Senti uma atração diferente pelo rapaz, uma coisa que não acontecia comigo desde a época de solteira, afinal, após 20 anos de casada, nem me lembrava mais o que era ter esse tipo de sensação, minha voz ficou tremula e as mãos mais frias do que já estavam devido ao frio. Perguntei a ele, se gostaria de tomar um café, mas ele com um sorriso devastador me disse que acabara de lanchar na casa do seu pai.
Fomos para sala, onde o problema acontecia, naquela altura eu nem queria mais saber realmente da solução do vazamento, pensamentos íntimos me faziam um turbilhão na cabeça. Ele buscou a escada para acessar o alçapão e com uma lanterna identificou as telhas quebradas que deixavam a água entrar e era essa a causa da infiltração, ele sugeriu que eu subisse para ver quais eram as tais telhas quebradas; eu com muito medo de altura aceitei e subi com a garantia que ele segurasse a escada.
Ao identificar onde o problema estava eu rapidamente desci, tal era meu pavor de altura, ele continuava a segurar até que meus pés tocassem o chão em segurança, naquele momento ele não soltou a escada e eu acabei ficando entre seus braços musculosos, me virei para seu lado e ele com aquela cara de sedução me questionava se era só aquilo que eu precisava.
Novamente aquela sensação de frio na barriga me acometera e eu sem pensar me aproximei, nossos lábios se tocaram e sua língua travava um intensa briga com a minha, seus hormônios estavam a flor da pele, sentia que aquilo me seduzia e me deixava sem chão, uma de suas mãos se entrelaçou em meus cabelos acima da nuca enquanto a outra me apertava na altura da cintura, me deixando completamente vendida de tesão naquele momento. Ele sutilmente tirou minha blusa de malha, eu estava sem sutiã, afinal, estava sozinha e não precisava daquele tipo de vestuário, a porta ainda entreaberta, deixava entrar um vento gelado que parecia cortar a minha pele como navalha afiada, senti meus pelos todos arrepiados e meus mamilos pareciam pedras pontiagudas roçando em seu abdome também desnudo. Ainda nos beijando ele me pegou no colo e me jogou em cima do sofá, enquanto arrancava minha calça, ele chupava meus mamilos enrijecidos com uma boca suculenta como um macho que identifica sua fêmea no cio. Minha vulva, completamente molhada parecia latejar tamanha a sinergia daquele momento, seus dedos hábeis afastaram minha calcinha já completamente molhada para o lado e naquele momento com uma destreza inimaginável ele me masturbou massageando meu clitóris em movimentos intensos, até que eu chegasse a um êxtase de prazer, como não acontecia já a muito tempo enquanto, ele introduzia seus dedos dentro de mim.
Ele desceu sua cabeça até entre minhas coxas, seus lábios tocavam meus pelos pubianos e sua língua acariciava minha vagina, nesse momento eu o agarrei pelos cabelos como se quisesse arranca-los e ele continuava a me chupar e beijar enquanto suas mãos apertavam meus mamilos em movimentos circulares, sentia excitação em dois pontos diferentes, meus gemidos eram cada vez mais altos e intensos.
Eu já sentia seu membro enrijecido embaixo do calção, parecendo que queria sair daquele espaço minúsculo, novamente ele me carregou no colo e me levou para a sala de jogos, ao lado de onde estávamos, me jogou em cima da mesa de sinuca me virando de costas para ele e empurrando meu tórax em direção ao forro verde e macio da mesa, ele baixou minha calcinha e levemente entreabriu minhas pernas já trêmulas de tanto tesão, se debruçou sobre meu corpo e enquanto me dava leves mordidas na nuca me penetrou com seu pênis enrijecido, me senti realizada naquele momento, um jovem de corpo escultural me possuía e me fazia sentir sensações maravilhosas. Começou a puxar meus cabelos e os movimentos frenéticos da sua penetração aumentavam o vai e vem do seu corpo sobre o meu, o que me deixava louca de prazer, mesmo tentando eu não conseguia segurar os gemidos, era mais forte que eu, minha vulva estava completamente molhada que pareciam escorrer pela pernas abaixo, novamente gozei como nunca e ele continuava a puxar meus cabelos e apertar minha cintura, sentia um misto de tesão e dor que me deixava extenuada de prazer.
Ao perceber que eu havia gozado, ele me virou e começou a chupar meus seios enquanto a outra mão me masturbava novamente, era tanto tesão que eu empurrava sua mão para que seus dedos entrassem em minha vagina, aquela mão grande com os dedos indicador e médio me faziam me sentir nas nuvens, estava completamente molhada de prazer e não tive tempo de recuperar as minhas forças, novamente comecei a gemer loucamente enquanto apertava sua cabeça contra meus seios, ele subiu na mesa e me colocou sentada por cima, naquele momento seu pênis me tocou fundo, me preenchia todos os espaços, deixando minha vulva ainda mais molhada, cavalguei incansavelmente enquanto ele acariciava meus seios e uma atração inexplicável me levava até seus lábios em beijos suculentos, ele mordia meu lábio inferior enquanto com as duas mãos apertava minhas nádegas com força, mais uma vez gozei freneticamente, dessa vez simultaneamente a ele, sentia seus jatos de sêmen me lubrificando mais e mais enquanto sua expressão de prazer tomava sua face, até que os movimentos diminuíssem de intensidade. Então deixei meu corpo cair sobre o dele.
Apesar do frio estávamos os dois completamente suados e nos beijávamos como dois adolescentes, ele me acariciava as costas e nádegas com o pênis ainda dentro da minha vagina, nossos corpos se esfriavam. Nos recompomos e ele me disse que aceitaria aquele café que eu havia oferecido quando ele chegou, conversamos mais uns minutos e ele se foi.
Foi uma aventura deliciosa e muito louca. Me fez esquecer dos problemas e da minha rotina da cidade. Acertei ao ir pro sitio sozinha e farei isso mais vezes. Apesar do sentimento de culpa nunca me senti tão bem.