Porno Gratis – Filmes Porno Brasileiros, Videos de Sexo Nacional, Sexo Amador, Videos Porno. - Porno Carioca. Videos Porno, Videos de Sexo, Xvideos, Filmes XXX, Sexo Amador, Porno, Fotos Amadoras, Porno Gratis, Contos Eróticos.
Home » Contos »

Virgem sendo fodido pelo amigo

Virgem sendo fodido pelo amigo

Foi inesquecível, então vou contar como tudo aconteceu em minha primeira vez.

Nasci numa cidade tranqüila. Fui morar na Capital com 14 anos, mas sempre que podia voltava para passar o final de semana, ficando na casa de meu tio Luis, e me divertindo com meus primos e amigos.

Certa vez, quando eu estava com 19 anos, fui para passar as férias. Em um sábado, eu e meus amigos Renato, Gean, Carlos, Fabio e Marcelo, fomos nadar no lago da cachoeira, que ficava em um sítio vizinho, um pouco afastado da cidade. Íamos lá desde pequenos, é um lugar muito legal.

Já cansados, resolvemos ir embora por volta das 14:00 horas. Todos se adiantaram e saíram primeiro, apenas eu e Marcelo ficamos para trás. Olhei para Marcelo, enquanto ele colocava o calção e conversava, contando suas aventuras amorosas com as garotas. Ele estava com 21 anos, sempre foi meu amigo mais chegado, e não deixei de observar que a cada dia seu corpo estava mais bonito: moreno claro, queimado de sol, cabelos lisos, um pouco longos chegando quase nos ombros largos, olhos verdes, braços fortes, pernas bem torneadas, barriga e peito com os músculos todos definidos, coberto por pêlos que desciam até a região pubiana. Senti que meu rosto esquentou com aquele pensamento, mas não conseguia tirar os olhos dele desde que chegamos lá. Em verdade já sentia uma admiração fora do normal para dois homens.

Saímos cortando caminho por outros sítios vizinhos, quando parei para apanhar umas goiabas. As maiores e mais bonitas estava no alto da árvore, então subi nos primeiros galhos para pegá-las. Marcelo riu quando percebeu minha dificuldade e ofereceu ajuda. Subiu um pouco e disse que me daria apoio, segurando o galho para eu subir.

Naquele instante, senti seu peito encostado na minha bunda, podia sentir seus músculos fortes enquanto me segurava pela cintura. Então falou em tom de brincadeira que eu estava com uma bunda bonita e que iria dar um beijo nela. Dei risada, disse que não, mas já estava ficando excitado. Percebendo a falta de determinação na minha voz começou a esfregar seu rosto na minha bunda, beijando e dizendo que eu era uma delícia. Saímos dali e ele me levou para sua casa, fomos para seu quarto, ele trancou a porta disse que estávamos seguros. O desejo já dominava o medo, o ritmo cardíaco acelerado inundava meu corpo de adrenalina, a razão já não tinha sentido. Envolveu-me em seus braços e selou minha boca em um beijo sem pudor, serpenteando seu corpo contra o meu, murmurando que ninguém iria saber de nada.

Deitei na cama e vi seu pau enorme quase rasgando o calção. Não consegui tirar os olhos, então pediu para eu pegar nele. Obedeci sem pensar e tirei o seu pau pra fora. Era grande e lindo. Segurando-me pela cabeça, falou para abrir a boca e chupar. Engoli aquele pau inteiro, sentindo ânsia quando ele empurrava com força até minha garganta.

Levantei e me afastei dizendo para parar, quando ele falou que sempre sentiu atração por mim, me segurando com força e me beijando até me deixar sem ar. Confessou que queria me ver nú e tirou meu calção, minha camiseta, me virou de costas e começou a esfregar seu pau na minha bunda, pegando no meu pau e falando baixinho que queria me comer. Eu disse que não, pois nunca tinha feito com outro homem, mas a sensação gostosa de sentir suas pernas esfregando nas minhas, seu corpo colado ao meu, sua boca quente buscando meu pescoço beijando, lambendo, me deixou louco. Nunca me senti tão excitado antes. Explorei seu corpo com minha boca e língua em todos os detalhes, fazendo-o gemer cada vez mais gostoso.

Com movimentos lentos me vez deitar de barriga para baixo, enquanto me cobria com seu corpo, foi descendo devagar, abriu minhas nádegas e enfiou a língua quente no meu ânus, me fazendo gemer de prazer. Disse que eu era apertadinho, e tinha de relaxar um pouco. Meu corpo queimava como fogo, dominado pela ansiedade do momento seguinte. Era possível sentir cada músculo dele se contraindo de excitação, seus pêlos macios do peito em minhas costas, e suas pernas grossas e musculosas forçando as minhas a se abrirem mais.

Confessei meu medo, e ele respondeu que não havia problema, que seria carinhoso e iria bem devagar. Sua voz era grave e hipnótica.

Perguntou se eu o deixaria colocar no meu ânus, para me deixar molhado com aquela baba que já tinha lambuzado minha bunda toda. Concordei, sentindo seu pau quente encostando e forçando lentamente, deixando meu ânus todo molhado. Pedi para não enfiar mais, mas ele continuou forçando e parando, bem devagar, só para dar mais tesão.

Ele se levantou e pegou um tubo de creme e passou no meu ânus e o seu pau, dizendo que agora não iria doer nada. Começou a colocar aquele pau, enterrando cada vez mais. Comecei a sentir um pouco de dor, me contraindo instintivamente para impedir seu pau de entrar mais, tentei fechar as pernas, mas fui impedido por suas pernas, enquanto ele pedia para eu relaxar. Disse que estava doendo e ele falou que a primeira vez é assim mesmo, que já iria passar. Apesar da dor que sentia, uma sensação como uma corrente elétrica percorria todo meu corpo. Que tesão, como ele era gostoso.

Quando aquele pau entrou ainda mais, minha respiração já estava acelerada, sentia meu rosto queimando, meu ânus estava sendo rasgado. Quanto mais eu tentava me mexer para ele parar mais ele enterrava aquela vara enorme. O ar já me faltava, pensei que iria desmaiar. Colocando os braços na lateral do meu peito, por baixo de meus braços e segurando-me pelos ombros, impediu qualquer tentativa de me libertar. Estava sendo violentado. Mas ser dominado por aquele macho, me fez experimentar sensações que não conhecia. Pela primeira vez eu não tinha domínio em uma relação sexual, era apenas alvo de seu prazer, um instrumento de satisfação de sua luxúria.

Senti que as lágrimas brotavam de meus olhos, quando ele foi tirando seu pau de dentro de mim. Mas ele voltou a enfiar tudo, cada vez mais, até que senti seus pêlos púbicos e seu saco encostarem na minha bunda. Gemi alto, mas ele tampou minha boca e continuou tirando e colocando tudo de uma vez. Quanto mais eu gemia mais ele ficava excitado. A dor era enorme, não agüentava mais, mas ele continuava se movimentando, dizendo como eu era gostoso e apertado. Meu desespero se misturava com tesão, a dor estava diminuindo, deixando a sensação de prazer tomando conta daquele momento. Eu delirava, gemia, sentia que estava sendo rasgado, mas queria mais, queria sentir todo aquele corpo gostoso, todo aquele pau dentro de mim.

O ritmo dos movimentos foi aumentando e seus gemidos altos já acompanhavam os meus, quando senti que ele estava próximo de gozar. Seus cabelos negros colavam em meu rosto e seu corpo molhado de suor já dava sinais de que aquele macho gostoso estava chegando ao clímax. Com mais alguns movimentos rápidos e fortes, batendo seu quadril em minha bunda, seu pau entrando sem dó me rasgar por dentro, ele urrou e enfiou tudo que podia de uma só vez, seus músculos estremecendo, e ele gozou intensamente, despejando jatos de esperma a cada estocada profunda e sem dó. Naquele instante senti seu pau pulsando dentro de mim, e jatos quentes de esperma jorravam bem fundo, me inundando com seu prazer. Foi tão intenso que gozei ao mesmo tempo, como nunca tinha gozado antes. O tempo parecia não existir enquanto sentia seu corpo descansando sobre o meu em total exaustão e deleite, ainda com seu pau enterrado na minha bunda.

Ficamos assim algum tempo, então ele começou a beijar meu rosto e procurar minha boca. Quando tirou seu pau de dentro de mim, me levantei ainda com muita dor, senti seu esperma quente escorrendo pelas minhas pernas em grande quantidade. Passei a mão no meu ânus e percebi que estava sangrando. Corri para o banheiro e fui tomar um banho, sentindo-me constrangido com tudo que aconteceu.

Marcelo foi ao meu encontro, perguntando se estava tudo bem. Disse que sim. Deixei a água morna escorrer pelo meu corpo, sentindo tanta dor que mal conseguia me movimentar. Eu ainda sangrava, e meu ânus parecia estar aberto e muito machucado, o que me deixou um pouco preocupado.

Terminei de me lavar em silêncio, fui para o quarto e coloquei meu calção. Marcelo me abraçou com ternura, me deu um beijo e fui embora.

No caminho, pensando, não acreditava no que tinha acontecido, mas era verdade. Fiquei sentindo dor por mais uns dias, mas valeu a pena, foi o momento mais gostoso que me aconteceu.

Não preciso nem dizer que continuamos nos relacionando. Ele é lindo demais.